2017/06/21

Dia 2395

Foi um dia cheio. Choveu bastante e as ruas ficaram úmidas com aquele vento gelado. A cidade teve que tirar os casacos do armário hoje. Eu só queria voltar para casa no fim do dia. Eu, meu blazer escuro e minhas botas pretas. É sexta-feira e já escureceu. É uma noite propicia ao vinho e ao sexo.
O bairro é tranquilo, o prédio é pacato. Tudo aqui é muito normal e ás vezes até chato. Geralmente eu chego primeiro e sozinho. Os corredores estão sempre em silêncio. A maioria já esta dormindo. Vou passar a chave na porta e uma surpresa! Estava aberta. Quando a um passo a frente, ouço tocando Big Mike & The Booty Papas - I'll Take Care Of You vindo do quarto e essa música me da um tesão enorme. Ela sabia disso. Olha quem esta em casa!
Usa um vestido preto cinturado e sandália da mesma cor. Arrumou o cabelo e tem aquele batom que é difícil de sair mas que fica sexy nos lábios dela. Tem vinho na mesa, o que é estranho porque só eu bebo vinho aqui. Alguns petiscos e um cheiro bom do perfume dela. Enche a taça, da um gole e me oferece a mesma taça. Tem gosto da boca dela agora.
Porque da música? Porque do vinho? Não estávamos comemorando nada. Não andava fazendo nada que merecesse uma retribuição ou algo assim. Qual o motivo? Esse blues no ar me instigava mais e mais. Havia uma luz diferente que vinha do quarto e ela estava linda. Era uma cena meio surreal. Mais um gole de vinho e mais um sorriso. Fala pra eu ir para o quarto que já ia logo mais.
Ao entrar, eram velas artesanais que faziam a iluminação. O cheiro do perfume dela estava em todo quarto. Propositalmente, claro. A música não estava tão alta. Começa o refrão com "Vamos lá garota, eu tenho algo para tomar". Eu também tinha, uma deliciosa taça de vinho. Depois a música segue com um refrão dizendo "Eu sei o que quero fazer, é tão seguro quanto um e um são dois. Eu só tenho que cuidar de você."
Ela chega bem nessa parte, olha diretamente nos meus olhos. Isso até assusta um pouco porque ela nunca faz essas coisas. Abre o vestido e deixa escorregar pelo corpo. Ela cheira gostoso, de perfume caro e sexo. Esta quente e molhada. Me beija com vontade, toca minha nuca e enfia os dedos pelo meio dos cabelos. Usa aquelas calcinhas de renda sexy preta que eu adoro. Mesmo assim da pra sentir ela molhada sentada em mim. Ainda esta com as sandálias. A cena inteira ali acontecendo é sensual. A fricção fazia ela se molhar mais. Foi o beijo mais gostoso que eu já dei.
Fizemos amor, transamos, trepamos, fodemos. Entenda como quiser. Ela sentou em mim e fez o que quis até gozar cravando as unhas no meu ombro, depois pediu pra que eu fizesse o que eu quisesse. Pediu pra tocá-la como nunca havia tocado nenhuma antes. Pediu que eu preenchesse cada pedaço do seu corpo com um beijo molhado. Algumas partes bem, demorei bem mais que outras. Os vizinhos de dois andares abaixo ouviram seus gemidos. Foi uma satisfação mutua. Foi o melhor sexo da nossa vida.
O último gole de vinho, a garrafa secou. Todo aquele dia me pareceu inútil diante daquele momento. Praticamente esqueci todo o nervoso e estresse do trabalho e do caminho de volta com trânsito e chuva. Eu esqueci minha vida deitado com ela naquela cama. Ali, dentro daquelas horas me senti feliz e completo mais uma vez. Não foram horas de prazer físico apenas, foi a explosão de um desejo insaciável em forma de gozo compartilhado. Ainda da pra sentir o gosto dela na minha boca. Sente como é gostoso? Quando os dois gozam do momento e dentro dele. Deu pra entender.
Não da para ter uma noite dessas com qualquer mulher. Não da para aproveitar um momento desses sempre. Não da para ser feliz o tempo todo. As mulheres são mais complexas, olham o mundo sob uma ótica diferente da nossa. Isso não é ruim. Elas mostram pra nós coisas que não vemos porque somos mais simples. Hoje eu sou o homem mais simples do mundo porque tudo que eu queria era uma cama quente e boa companhia. Pela primeira vez em muito tempo não me senti sozinho. Mulher boa não é só aquela que vai com você pra cama, mas também aquela que sabe sua importância de estar ali.

Uma garrafa de vinho com um resto no fundo, uma calcinha jogada em cima da cômoda do lado do porta retratos, as sandálias espalhadas pelo quarto e uma camisa branca com um cinto preto jogados no chão. Uma garota linda e nua dormiu na minha cama hoje. Amanhã quando acordarmos vai ser o melhor dia de nossas vidas, mas não sabemos disso ainda.

2017/06/20

Dia 2394

Oi meu amor!
Como você esta?
Sinto sua falta. Sinto muito a sua falta. Não está nada fácil. Mas não quero que venha logo, aproveite bastante ai onde esta ok? Quero saber de tudo na volta. O que fez, quem conheceu, se deu aquela risada gostosa por alguma piada engraçada. A verdade é que queria estar ai com você, poder segurar sua mão, te olhar nos olhos e dar um beijo na sua testa. Me perguntaram aqui esses tempos do que eu mais sentia falta. Eu disse que sentia da hora de dormir toda noite, quando você deitava no meu peito e reclamava do barulho do meu coração alto. Mas você sempre achava um jeito de ficar ali, dentro do meu braço até pegar no sono. 
Eu sei, eu sei. É difícil. Ninguém disse que seria fácil. 'Jacó esperou por Raquel' (Gênesis 29) e eu, bem, eu espero também. Eu esperava você não ficar cansada. Esperava você não ficar tão estressada do trabalho e das aulas chatas nas terças-feiras a noite. Esperava você não esta com dor de cabeça ou nas costas. Esperava você vir sorrindo em minha direção. Esperava seu abraço inesperado. Esperava você toda noite em casa. Esperava você mudar seus planos para seguir com os meus. Passei muito tempo esperando, tempo demais eu acho. Poderíamos ter feito mais? Sinto sua falta amor. Sinto muito a sua falta.
Hoje estou longe, tão longe que não consigo te levar flores na sexta-feira depois do expediente. Longe demais para programar nossas férias. Longe demais para buscar seu café da manhã aos sábados antes que você acordasse. Longe demais para te ligar e perguntar se precisa de algo do mercado antes que eu volte pra casa. Longe demais para lhe dar um abraço ou um beijo e planejar ter filhos. Sinto sua falta amor. Sinto muito a sua falta.
Meu carro saiu da pista na BR-116. Não me lembro de quase nada. Vi algumas luzes. Alguns flashes corridos. O enfermeiro do resgate perguntava meu nome, eu respondi. Mesmo assim ele continuava perguntando "Senhor, você se lembra do seu nome?". Ele não me escutava. Levantei minha mão esquerda, a aliança brilhava com as sirenes. Senti sede, quis levantar e sair andando. Me imobilizaram e meus olhos pesaram. Acabei dormindo. Não deveria ter dormido. Sinto sua falta amor. Sinto muito a sua falta.
Você chorou por dias. A casa ficou com mais espaço e mais quieta. A cama ficou maior ainda. Voltou a aparecer roupas em cima dos móveis, sapatos espalhados pela casa e louça na pia. Acabou o leite e o chocolate. Os banhos começaram a ficar mais demorados sentada no chão do banheiro e os dias mais longos. 'Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.Há tempo de nascer, e tempo de morrer' (Eclesiastes 3:1,2). Sinto sua falta amor. Sinto muito a sua falta.
Esteja com alguém que te olhe com carinho quando ninguém estiver olhando. Alguém que saiba sua comida favorita. Alguém que faça questão de segurar sua mão em meio a multidão. Alguém que faça a solidão ser uma lembrança distante. Alguém que saiba ser a parte faltante. Alguém que preencha as lacunas vazias da sua alma e transborde a felicidade só por estar ali. Eu não sinto mais seu perfume todas as manhãs e nem posso te acordar aos beijos. Não posso buscar água no meio da madrugada e nem te fazer rir com piadas bobas sem sentido. Mas estou aqui esperando. Estou aqui esperando. Sinto sua falta. Sinto muito a sua falta.



2017/06/13

Dia 2393

O frio ficou mais gelado, quase insuportável de se aguentar. A comida perdeu seu gosto, seu saboroso paladar. As cores, pobre das cores. Ficaram opacas, sem graça e com tom triste que qualquer um poderia enxergar. As coisas que antes tinham de mim total atenção, hoje perderam a graça. O mundo então parece-me agora um lugar muito chato de se estar. Não há nada que me desperte interesse e aquela ansiedade que eu tinha antes por qualquer coisa, hoje é por coisa alguma. O vento soprando na janela enquanto os pingos de chuva esmurram minha janela é como se estivessem falando para que eu continuasse ali na cama, sem precisar levantar. "Não há nada lá fora, continue ai mesmo onde esta". 
Houve um tempo em que estávamos mal. Parte da culpa era minha. O teto de casa parecia desabar sobre nossas cabeças. Não havia acordo ou pausa. Rapidamente o que era um lar virou uma zona de guerra. Eu sabia que não poderia muda-la. Por mais força que eu colocasse nessa intensão havia sempre a mesma força me empurrando de volta. Esperava, queria, mas não podia ter. Isso é frustrante não é? Quando você quer realmente algo e não tem. Bom, eu queria ela bem comigo e que prestasse atenção em mim mas acima de tudo que desse atenção a nós mas do que tudo. Família, certo? Isso é importante. 
As pessoas geralmente agem quando são adultos da mesma forma que viram quando eram crianças. Eu via meu pai chegar do trabalho todos os dias com mochilas nas costas e as mangas da camisa dobradas. Sempre com um semblante cansado. Alguns dias mais do que outros. Via ele sentar na cadeira da cozinha enquanto minha mãe fazia a janta. Eu queria brincar com ele, falar com ele. Mas não fazia nada disso. Sabia que o final de semana era meu, com meu paizão. Só o fato dele estar lá em casa toda noite já me deixava feliz. De vez em quando ele me trazia algumas moedas, outros bolinhas de gude. Mandava eu escovar os dentes antes de dormir, ás vezes me dava um beijo de boa noite. Minha mãe que sempre me cobria e ai eu pegava no sono. Amanhã é outro dia.
Acabei arrastando isso para minha vida. Gosto da ideia de voltar para casa e ter alguém me esperando. Gosto de pensar que tenho alguém para contar meu dia, por mais que não tenha tanta emoção assim. Ter alguém para brigar comigo por causa das minhas mangas dobradas. Volto para casa cansado, mas feliz no fim do dia. Ter alguém para poder planejar o final de semana nem que seja debaixo das cobertas. Alguém, que só por estar ali já me faria bem.
Ela não teve as mesmas cenas que eu. Ela não pensa e sente as coisas como eu e não ia conseguir mudá-la. Então mudei a única coisa que eu podia. Mudei a mim mesmo. Penso que toda separação é uma pequena tragédia. E todo amor duradouro é um pequeno milagre. Não queria que tudo acabasse, mesmo já chegando a falar sobre seguirmos sem ser um casal. Sabia que se me separasse dela ia ver o rosto dela em cada relacionamento que tivesse. Iria rir sozinho das nossas piadas internas. Ia me lembrar dela em cada lugar que visitamos juntos. Iria sentir o perfume dela na rua e parar onde estivesse procurando ela na multidão. Não sei que efeitos essa mudança causa e causará na nossa relação. Não sei se ela vai mudar o jeito dela de ver algumas coisas, se vai levar em consideração outras ou até mesmo deixar de lado jeitos dela para melhorar o nosso jeito. Já faz algumas semanas que não há brigas, não há silêncio porque não queremos falar um com o outro e não há distância.

Penso que o nosso amor pode tirar as dúvidas da minha vida, quem sabe? Ás vezes penso que é difícil e é realmente. Ás vezes acordo e não queria acordar, queria deixar o mundo de lado. Sei que ela tem dias assim também. Mas hoje cedo quando acordei ela para tomar café e um banho para ir trabalhar ela sorriu para mim. Então pensei que não importa quanto de trabalho isso dê ou quanto isso exija de mim, vou fazer o melhor que eu conseguir para ter isso todos os dias que eu puder.
A vida nos presenteia quando menos esperamos e muitas vezes quando estamos pouco merecendo. Isso tudo é uma lição de amadurecimento para a própria vida. É uma forma do universo nos dizer que precisamos evoluir, que precisamos crescer e sermos mais serenos principalmente com quem esta do nosso lado. Temos que cuidar e tratar bem quem caminha com a gente. É a nossa forma de dizer "obrigado" ao universo, a vida e a Deus. 

2017/06/07

Dia 2392

Cuida dela. Abraça ela. Beija. Diz que ama. Diz que não pode viver sem. Manda mensagem de saudade. Chora pra fazer declaração de amor. Pega na mão, faz carinho no rosto. Olha nos olhos, principalmente olhar nos olhos. Pede desculpa mesmo que não seja sua culpa, mesmo que nada tenha acontecido. Faz amor. Deita no peito. Respira fundo e dorme. Ainda não é tarde demais, faça tudo hoje. HOJE!
Somos instantes. Em uma hora somos e na outra deixamos de existir. Jenário de Fátima disse uma vez: "Porque a vida é fugaz, tão veloz, tão passageira. A gente sofre demais, por bobagens, por besteira. Tudo um dia se desfaz mesmo que queira ou não queira. Importa é viver em paz pois quando olhamos pra trás lá se foi a vida inteira." Nesse espaço de tempo podemos nos encontrar felizes. E felicidade é um instante de vida que vale por ele mesmo. Sem mais. Por isso sempre gostei de companhia, para dividir a felicidade que em mim estava com quem mais amo. Não faz sentido ser feliz e não ter alguém fiel para ver isso acontecendo. "A felicidade só é real quando compartilhada" - A.S. 1992.
Perca a hora. Deixe algo de lado. Reveja as prioridades um dia que seja, se surpreenda. Corra para atender o chamado. Doe-se sem medo. Faça uma cena de filme. Comprometa-se. Torne tudo o melhor instante da sua vida. Aproveite. Desfrute. Goze muito. Tenha o melhor café da manhã de todos. Pare a rotina e olhe ao redor. Respire, esta olhando atentamente?


Um dia, um dia vou me deitar calmamente e aos poucos sentir a vida indo embora de mim. Não vai haver desespero nem euforia, apenas paz. Vou me deitar em um leito confortável, meus olhos estão fechando e aos poucos vou perdendo a consciência. Alguém me cobre como se eu fosse dormir, não consigo ver quem é. Sinto o gosto da vida inteira nos meus lábios agora, meus olhos estão fechando e tudo ficou escuro, enfim.
Já é tarde demais?


vamos embora desse mundo da mesma forma que viemos. Vulneráveis, quase sempre deitados em uma cama e com as pessoas que amamos em volta. Chegamos aqui sem saber o que vamos enfrentar e vamos embora da mesma forma, percebe? 
Um minuto é pouco tempo. Uma hora é o que parece ser. Um dia é muita coisa. Não percam tempo. A vida é uma sequência de minutos, horas, dias que precisam valer a pena. Nós que fazemos valer a pena. Somos eternamente responsáveis por aquilo que fazemos e por aquilo que deixamos de fazer também. E você? O que anda fazendo com a sua vida? Anda valendo a pena? O que mais anda valendo para você hoje? O que é mais importante para você? Quando o tempo passar, as pessoas forem embora... O que vai ter valido a pena, hoje?



2017/06/05

Dia 2391


É até o limite da imaginação. Foi isso que acordamos quando decidimos ficar dentro daquele apartamento de 42m² por um final de semana inteiro sem sair. Éramos nós contra o mundo. E como foi? Eu conto, com todos os detalhes que ainda estão fresquinhos aqui na minha cabeça, no cheiro desse apartamento e na temperatura dos meus lençóis.
Saímos uma semana antes no sábado a noite. Durante a semana trocamos muitas mensagens, ela contava seu dia e me mandava alguns áudios engraçados pausados, como se estivesse pensando no que dizer pra não me mostrar logo de cara que o humor dela era uma coisa a ser entendida além de curtida. Falamos sobre o tempo e as horas. Sobre a pausa pra o almoço e o e-mail chato que teve que responder e até a receita de família que ela sabia fazer. Cada vez que ela falava e eu colocava o telefone no ouvido é como se eu conseguisse sentir o ar quente vindo da boca dela falando bem perto de mim. Enfim, me apaixonei. Chamei ela para sair, tomar um café ou algo assim. Nada de noitada fora, já tínhamos passado dessa fase e para a minha alegria ela aceitou. Creio que se ela pudesse me expor como foi para ela, seguiria como o parágrafo a seguir.
"Ele tentou se aproximar de mim, assim, sem mais nem menos. Sem saber o quanto eu sou danificada. Sem conhecer os meus defeitos. Sem saber o quanto estou calejada de vindas e idas. Ele tentou se aproximar, e o pior foi que eu gostei. Gostei do frio na barriga no primeiro beijo, do toque de sua mão em minha nuca e da outra em minha cintura, gostei do corpo dele contra o meu, fazendo meus pulmões se encherem de ar, e fazendo-os se esquecerem de esvaziar. Gostei de ouvir meus batimentos tão alto em meus ouvidos, que me fizeram esquecer totalmente do mundo ao meu redor. Beijo esse que por segundos fizeram minha alma se restaurar de qualquer dor que já senti, de qualquer decepção que já sofri e de qualquer abandonar que já passei. Beijo esse seguido de um abraço com cheiro bom, cheiro que marca bem fundo em minha memória, juntando o que resta dos pedaços espalhados do meu coração que tenho recolhido tão calmamente nos últimos meses. Ele tentou se aproximar de mim, e o melhor foi que ele conseguiu."

Para ela as batidas do coração eram como o tic tac do relógio, contando quantos minutos ela ainda tinha. Todas as vezes que cheguei perto dela ouvia o meu coração dentro da minha cabeça e o dela sempre esmurrando meu peito a cada abraço. Acho que era natural, não forçamos nada. Rimos, tomamos café e eu consegui ver o brilho daqueles olhos castanhos na minha frente. E o perfume dela, dava pra sentir a dois quarteirões mas era aquela coisa suave entrando na sua memória entende? Enfim, me apaixonei (de novo). 
A semana foi passando e parecia que só o que importava era a próxima sexta-feira. O próximo final de semana. Mas, quando chegou na quarta feira e chamei ela para sair novamente me disse que não queria sair no sábado. Fiquei pensando nos dois lados: Primeiro que aquilo poderia ser uma dispensa e segundo que ela poderia estar me testando para ver até onde eu iria. (Mas eu chamei ela para sair pela terceira semana seguida, isso não estava mais que na cara que eu estava interessado?). Mas ok, que tal ir la em casa? Me fala o que você gosta de comer, eu sei cozinhar um pouco mas se não gostar a gente pede uma pizza que tal? Ela aceitou (para a minha surpresa novamente) E agora?
Disse que podia ser pizza mesmo. Ás 20:00hs, sexta feira. A condição dela foi "Eu só vou se você me prometer que não vamos sair até domingo". Ok então. Mas ninguém passa três dias de pizza então na quinta feira a noite fiz compras e é claro que rolou um sorvete e outras besteiras no carrinho. Mas ai, o que vamos fazer por quase três dias seguidos? Fizemos amor sim, é claro que fizemos. Algumas vezes dentro desses três dias. Mas não foi só isso. A maior parte do tempo ficamos de moletom e meia debaixo da coberta assistindo qualquer série aleatória no canal pago. Ou então com a TV desligada e uma travessa de vidro com algum doce cheio de açucar dentro ouvindo ela falar alguma coisa, qualquer coisa. Só porque era bonitinho ouvi-la falar. E até deitados sem pressa nenhuma do dia acabar, dando pequenos beijos e trocando olhares. Deus, quando chegar minha hora por favor que seja dentro de um momento desses!
Esquecemos que tínhamos uma rotina durante a semana. Esquecemos que não gostamos de algumas pessoas nos nossos empregos. Esquecemos que a faculdade acaba nos engolindo de vez em quando. Esquecemos os boletos não pagos dentro da gaveta. Esquecemos os celulares e as mil mensagens dos grupos. Esquecemos de sermos sociais de propósito. Quando você vai chegando perto dos trinta anos de idade poucas coisas realmente se tornam importantes. No me caso é apenas uma. E quando me perguntam qual é a minha cor favorita, eu digo que é o castanho dos teus olhos.